A construção da personalidade do filho (Parte 2)

A construção da personalidade do filho (Parte 1)
3 de dezembro de 2021
Aumenta número de síndromes entre crianças e adolescentes pós isolamento
15 de dezembro de 2021

Em vez de ler, que tal ouvir o post? Experimente no player abaixo:

“O mimo excessivo impede a criança de aprender a lidar com frustrações, distanciando-a do mundo real, no qual nem sempre os desejos magicamente são atendidos”.

No post anterior, começamos a tratar de um tema muito importante, que é a construção da personalidade dos filhos.

E agora, continuando o tema, vamos explicar como a influência dos avós pode impactar esse processo. Iremos mostrar como o mimo também está ligado a muitos fatores observados nessa parte.

Veja a seguir:

Construção da personalidade e os avós

Quando uma criança nasce ou vem para a família, é válido lembrar que os avós também já vivem suas questões.

Às vezes, sentindo-se sós, eles buscam nos netos a felicidade, a lembrança do início do casamento, quando na casa havia vida, e assim por diante. Os netos, nesse caso, representam o sucesso de colocar no mundo a continuação de sua geração. 

Um dos itens de tratamento contra o suicídio (Setembro Amarelo- Unimed) fala da importância de ter filhos.

A escola da inteligência fala que a relação dos avós com seus netos é importante para repassar a cultura da família e desenvolver o lado afetivo. No entanto, a Gazeta do Povo alerta: “O mimo excessivo impede a criança de aprender a lidar com frustrações, distanciando-a do mundo real, no qual nem sempre os desejos magicamente são atendidos”.

Por isso, cabe abordarmos também o mimo mais de perto e o que ele significa.

A questão do mimo na construção da personalidade

O mimo realmente é a sentença da criança/adulto no fracasso.

Elza Maria (Scielo) fala da importância do desenvolvimento do apego, porém podemos entender pela lógica que todo conteúdo psicológico que busque o desenvolvimento da inteligência emocional muito bem estruturado pode cair no erro do excesso.

Mariangela Bento (Sedes) fala da construção do Eu na teoria do Freud (narcisismo), ligando-se à importância dessa fase. Entretanto, podemos entender que essa construção deve ser muito bem elaborada pelos cuidadores. 

Se juntarmos as teorias de apego descritas no SciELO por Elza Maria e a construção do Eu ( narcisismo) descrito por Mariangela (Sedes) vamos perceber a estrutura da inteligência emocional, a que damos pouca atenção. 

Ao não compreender bem esses passos, toda família pode cair no equívoco de direcionar esforços em sentido errado e afetar a construção da personalidade de um novo indivíduo por meio do mimo exagerado.

O narcisismo, se visto a partir dessa perspectiva, funciona como um complemento do egoísmo, que acaba criando projeções, algo que pode levar a consequências na personalidade do envolvido.

Por isso, é sempre tão importante identificar e tratar questões psicológicas em um ambiente que leve em consideração esse conjunto multifatorial de aspectos. 

Quer entender mais? Continuamos na parte 3. Acompanhe o blog

Referências:

http://www.unimed.coop.br/portalunimed/cartilhas/setembro-amarelo/ 

https://escoladainteligencia.com.br/blog/papel-dos-avos/#:~:text=Respeitar%20a%20autoridade%20dos%20respons%C3%A1veis,a%20disciplina%20e%20os%20mimos.

https://www.scielo.br/j/epsic/a/sSzWbH9mCqLXjhtqSvdH8Qx/?format=pdf&lang=pt

http://www.sedes.org.br/Departamentos/Formacao_Psicanalise/narcisismo_desamparo.htm

Compartilhe

1 Comment

  1. […] parte 2 do nosso artigo sobre construção da personalidade, falamos sobre a influência dos avós nessa […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×